RIOS FM 95,7 AO VIVO

Pesquisar
Close this search box.

O Tom de Voz Muda Tudo

O Tom de Voz Muda Tudo


Sabemos que a comunicação é composta por elementos verbais e não verbais. E dentre os elementos não verbais, o tom de voz, é certamente um ingrediente determinante para sinalizar sentimento, emoções e percepções. Há quem diga que tudo pode ser dito, dependendo da forma, ou que não é o conteúdo e sim a maneira como se fala que muda tudo. É nesta perspectiva que o tom de voz pode ser um aliado desencadeador de conflitos ou de pacificação.

O tom de voz é a personalidade que uma pessoa expressa em suas comunicações. Pode ser compreendido como a variabilidade usada em sua voz e é o que traz agressividade ou empatia as palavras. O tom revela muito além das palavras. Elogio, crítica, ameaça, indiferença, alegria.

Veja, não é suficiente dizer seja bem-vindo, é necessário o tom de entusiasmo e alegria para dar sentido ao que está sendo expresso em palavras. Mas, é possível dizer seja bem-vindo em um tom tão sarcástico que o interlocutor compreenda imediatamente que o outro não o quer ali. As palavras não mudam em ambas as possibilidades, o tom, sim.

Alguns hábitos na fala precisam ser corrigidos para construirmos uma comunicação com tom de voz mais agregador:

Falar no Imperativo de Forma Recorrente

O modo imperativo é um dos modos verbais de conjugação da língua portuguesa e expressa a intenção de que seu interlocutor realize uma ação, em tom de ordem. Faça, pegue, traga, corrija, a depender do tom, são comandos que não soam bem. A deselegância acontece quando tais ordens são empregadas sem o uso de palavras complementares de gentileza. Dizer “faça o relatório e me entregue daqui a dois dias” soa diferente de dizer “eu preciso que faça o relatório e me entregue daqui a dois dias”. A primeira revela a ideia de mando e segunda a ideia de pedido, de solicitação de ajuda. Pedido e ordem são recebidos de formas muito diferentes.

Falar em Volume Alto Demais

A intensidade da voz em volume alto emprega agressividade e indelicadeza de maneira espontânea. Muitas vezes trazendo a ideia de bronca e irritabilidade. A impressão que temos é que aquele que fala alto demais está sempre irritado e dando bronca em todos à sua volta. Grite a razão o abandonará completamente.

Falar em Volume Baixo Demais

Por sua vez, falar com intensidade de voz muito baixa sugere falta de segurança e traz a ideia de timidez, além de induzir ao tédio em se tratando de apresentações para grande público. Certamente, muitos de nós já percebemos professores e aulas cuja abordagem e volume de voz baixo despertava o cansaço e a monotonia.

Falar em Velocidade Lenta Demais

Falar em ritmo lento tem o mesmo efeito de falar em tom de voz muito baixo, e além de gerar monotonia, dispersa a atenção pela incapacidade de atrair a concentração dos ouvintes.

Por outro lado, falar em velocidade rápida demais: além de dificultar a assimilação da mensagem, muitas vezes requerendo que a mesma seja repetida, reiteradas vezes, falar em ritmo veloz demais passa a ideia de arrogância pois aquele que assim age deduz que todos são obrigados a compreender de pronto o que acabou de ser “vomitado”.

Defendo o uso da cordialidade e gentileza nas relações interpessoais tanto nos contextos corporativos, familiares, quanto entre amigos e estranhos. Um tom amigável e pacificador torna as relações mais integradoras e o diálogo mais produtivo é caminho fértil para que a mensagem encontre repouso e adesão.

Transicao-de-carreira

Transição de Carreira

A primeira orientação é construir uma reserva financeira, porque o momento de mudança de carreira pode ser que a pessoa inicie na nova área.
networking

Networking: uma moeda de troca

comunicação interpessoal

Pecados da comunicação interpessoal: o uso de generalizações

medo falar público

Os porquês do medo de falar em público

A Dádiva da Empatia

Pecados da Comunicação Interpessoal: a evocação de testemunhas

Add New Playlist