RIOS FM 95,7 AO VIVO

Pesquisar
Close this search box.

A essência da Comunicação Não-Violenta

comunicacao-nao-violenta

A comunicação não-violenta é uma abordagem comunicacional preconizada por Marshall Rosenberg, psicólogo americano que a desenvolveu para resolver conflitos, baseado nos métodos de terapia de Carl Rogers, com quem trabalhou junto. O autor realizou vários workshops em inúmeras regiões diferentes para ensinar as pessoas a resolverem conflitos de maneira rápida e sem usar a violência.

A ideia é que a comunicação não-violenta possibilite uma conexão com o outro e conosco mesmo, favorecendo o florescimento da compaixão. Ela nos orienta para a necessidade de nos expressarmos e escutarmos a parte, levando em consideração quatro aspectos: o que observamos, o que sentimos, do que necessitamos e o que pedimos. A tão propagada ideia de escuta ativa constitui um de seus princípios para fomentar o respeito entre as partes envolvidas.

A abordagem da comunicação não-violenta é aplicável a todos os tipos de relacionamentos e mais variadas situações. Seu primeiro princípio requer a substituição do julgamento pela observação, como no exemplo a seguir:

Nunca vi um homem preguiçoso; já vi um homem que nuca corria enquanto eu o observava, e já vi um homem que às vezes dormia entre o almoço e o jantar, e ficava em casa em dia de chuva mas ele não era preguiçoso. Antes que você me chame de louca, pense: ele era preguiçoso ou apenas fazia coisas que rotulamos de “preguiçosos”?

Outro elemento é expressarmos como nos sentimos, como no caso a seguir: “quando você não me cumprimenta, sinto-me negligenciado”. Veja que neste caso eu dou ciência ao meu interlocutor do quanto sua atitude me agride, em vez de simplesmente dizer: “deixe de ser mal educado e me cumprimente”.

O terceiro fator da comunicação não-violenta é assumir a responsabilidade por nossos sentimentos ao reconhecermos nossas próprias necessidades, desejos e expectativas. Observe a diferença:

“Você me desapontou ao não aparecer na noite passada”.

“Fiquei desapontada quando você não apareceu porque eu queria conversar a respeito de algumas coisas que estavam me incomodando”.

Na primeira expressão a parte atribui a responsabilidade pelo desapontamento somente à atitude da outra pessoa. Na segunda, o sentimento de desapontamento é reconhecido no desejo da própria pessoa que fala,o qual não está sendo atendido.

Pedir ao invés de dar ordens é o último aspecto norteador de uma abordagem não-violenta. Existe grande diferença entre pedir e dar ordens. O primeiro possui uma linguagem positiva, o segundo possui uma linguagem que estimula conflitos. Dizer “eu preciso que você cumpra o horário de trabalho pois os seus atrasos tem prejudicado a equipe” soa diferente de dizer “você está proibido de cometer outros atrasos”.

Sobre a reunião que poderia ser um e-mail

Transicao-de-carreira

Transição de Carreira

A primeira orientação é construir uma reserva financeira, porque o momento de mudança de carreira pode ser que a pessoa inicie na nova área.
networking

Networking: uma moeda de troca

comunicação interpessoal

Pecados da comunicação interpessoal: o uso de generalizações

O Tom de Voz Muda Tudo

O Tom de Voz Muda Tudo

medo falar público

Os porquês do medo de falar em público

Add New Playlist